O Impecável
"Um homem que dorme tem em círculo à sua volta o fio das horas, a ordem dos anos e dos mundos. Consulta-os instintivamente ao acordar, e neles lê num segundo o ponto da terra que ocupa, o tempo que decorreu até ao seu despertar; mas as respectivas linhas podem misturar-se, quebrar-se." Marcel Proust, Em Busca do Tempo Perdido



Os Impecáveis









Blogues obrigatórios

A arte da fuga
Adufe
Almocreve das Petas
Blasfémias
Bloguitica
Casa dos Comuns
Causa Nossa
Cum grano salis
Grande Loja do Queijo Limiano
Impostos?
Irreflexões
Muito à frente
O Acidental
O Insurgente
O Jansenista
Peço a Palavra
República Digital
Tabacaria
Tugir
Uma Campanha Alegre


Leituras recentes

Finanças Públicas pouco transparentes...
Acções de formação a desempregados nas Juntas de F...
Vamos a números...
O regresso à escola em recessão
Mais uma demissão na Casa da Música
Globalização dixit
A Raposa e o Parlamento
Informação, mercado e poesia
O fio das horas, a ordem dos anos e dos mundos



Arquivos

09/01/2004 - 10/01/2004
10/01/2004 - 11/01/2004
11/01/2004 - 12/01/2004
12/01/2004 - 01/01/2005
01/01/2005 - 02/01/2005
02/01/2005 - 03/01/2005
03/01/2005 - 04/01/2005
04/01/2005 - 05/01/2005
05/01/2005 - 06/01/2005
06/01/2005 - 07/01/2005
07/01/2005 - 08/01/2005
08/01/2005 - 09/01/2005
09/01/2005 - 10/01/2005
10/01/2005 - 11/01/2005
11/01/2005 - 12/01/2005
01/01/2006 - 02/01/2006
03/01/2006 - 04/01/2006
04/01/2006 - 05/01/2006
10/01/2006 - 11/01/2006
11/01/2006 - 12/01/2006
02/01/2007 - 03/01/2007


Contacto



Technorati search


Site Meter

on-line

|


domingo, setembro 19, 2004





Posted by Hello

A Índia derrogou a sua lei antiterrorismo. Impulsionado com o 11 de Setembro, o "Prevention of Terrorism Act" (2002) restringia, em nome do terrorismo, direitos, liberdades e garantias que consideramos (tendencialmente) insuprimíveis.
A coberto da Lei, só no Estado de Gujarat, nesse mesmo ano, foram mortas pelo menos 2 mil pessoas em motins de natureza confessional. Os mecanimos policiais previstos no POTA, segundo noticia o Público, foram “utilizados desproporcionalmente contra os muçulmanos”.
A alteração à lei feita pelo Governo de Nova Deli encerra uma questão que não conhece fronteiras: a utilização do combate ao terrorismo como mote para a prossecução de outros objectivos que pouco têm que ver com aquele desígnio.
Se as restrições aos direitos, liberdades e garantias tendem a encontrar no terrorismo uma base de legitimação que, em circunstâncias normais e por força das Declarações Universais, seria impensável, é útil reflectir sobre as tendências político-criminais que, nos diferentes Estados, vêm apontando para a uniformização e aglutinação de meios e fins na prevenção e combate à criminalidade, independentemente da sua natureza ou gravosidade social. Tratando-se de tendências que vão cunhar o modelo de justiça que vai vigorar neste século, elas manifestam-se em sub-regimes legais, aparentemente de natureza menor, como o do segredo de justiça, das buscas e revistas, das escutas telefónicas ou das medidas de coacção.
Mas, aquilo que, por força da sua processualidade endógena, parece tratar-se de uma menoridade aparente, é um retrato caleidoscópico da nossa vivência quodiana e também uma projecção das metas sinalizadoras do Mundo em que queremos viver. Um Mundo onde a vertente repressiva, apoiada nos mecanismos processuais desencadeáveis, tende a superar a paroquialidade tradicional dos diferentes sistemas nacionais e onde o factor identitário que caracterizava os diferentes regimes penais vai, a pouco e pouco, desaparecendo. Eis uma das consequência directas mais importantes do macro-fenómeno da globalização: se, nos tempos que correm, vamos tendo dificuldades em dissociar o terrorismo da globalização, também as vertente substantivas e adjectivas dos diversos regimes regulativos tendem a confundir-se.
Além de o mundo não poder ser mais ser visto a "preto e branco", a arreigada dicotomia forma/substância, fortemente questionada pelas teorias da "legitimação pelo procedimento", é ilusória: não há substância sem forma e a forma, essa, é cada vez mais substância. Ou não fosse a estética, ela mesma, uma disciplina com substância cientificamente comprovada.


JZM | domingo, setembro 19, 2004 |

A ler

Patrick Gaumer, Le Larousse de la bande dessinée



Correspondence Between Stalin, Roosevelt, Truman, Churchill and Attlee During World War II



Dietrich Schwanitz, Die Geschichte Europas



Dietrich Schwanitz, Bildung - Alles war man wissen muss



Niall Ferguson, Virtual History: Alternatives and Counterfactuals



Niall Ferguson, The House of Rothschild: Money's Prophets 1798-1848



Niall Ferguson, House of Rothschild: The World's Banker, 1849-1998



Joe Sacco, Safe Area Goradze



Joe Sacco, Palestine



Hugo Pratt, La Maison Dorée de Samarkand



John Kenneth Galbraith, The Affluent Society (Penguin Business)



Mary S. Lovell, The Sisters - The Saga of the Mitford Family (aconselhado pelo Jansenista)



Charlotte Mosley, The letters os Nancy Mitford and Evelyn Waugh (aconselhado pelo Jansenista)



Ron Chernow, Alexander Hamilton



Henry Fielding, Diário de uma viagem a Lisboa



AAVV, Budget Theory in the Public Sector



JOHN GRAY, Heresies: Against Progress and Other Illusions



CATHERINE JINKS, O Inquisidor, Bertrand, 2004



ANNE APPLEBAUM, Gulag: A History of the Soviet Camps, Penguin Books Ltd, 2004



António Castro Henriques, A conquista do Algarve, de 1189 a 1249. O Segundo Reino



Philip K. Dick, À espera do ano passado



Richard K. Armey e Dick Armey, The Flat Tax: A Citizen's Guide to the Facts on What It Will Do for You, Your Country, and Your Pocketbook



Jagdish N. Bhagwati, In Defense of Globalization, Oxford



Winston Churchill, My Early Life, Eland




A ver

Eraserhead (um filme de David Lynch - 1977)


Eraserhead (1977) Posted by Hello

Nos meus lábios, JACQUES AUDIARD, 2001



A Tua Mãe Também, ALFONSO CUARON, 2002



Pickup on South Street, SAMUEL FULLER



The Bostonians, JAMES IVORY (real.)



In the Mood for Love, KAR WAI WONG, 2001



Powered by Blogger