O Impecável
"Um homem que dorme tem em círculo à sua volta o fio das horas, a ordem dos anos e dos mundos. Consulta-os instintivamente ao acordar, e neles lê num segundo o ponto da terra que ocupa, o tempo que decorreu até ao seu despertar; mas as respectivas linhas podem misturar-se, quebrar-se." Marcel Proust, Em Busca do Tempo Perdido



Os Impecáveis









Blogues obrigatórios

A arte da fuga
Adufe
Almocreve das Petas
Blasfémias
Bloguitica
Casa dos Comuns
Causa Nossa
Cum grano salis
Grande Loja do Queijo Limiano
Impostos?
Irreflexões
Muito à frente
O Acidental
O Insurgente
O Jansenista
Peço a Palavra
República Digital
Tabacaria
Tugir
Uma Campanha Alegre


Leituras recentes

Destino Samarcanda
Integração europeia: soberania vs. controlo
Sugar, spice and everything nice
Cesariny responde a Micromegas
Luta pelo poder
Referendos pela Europa...
A filosofia de Gaston Lagaffe...
Polifemo e o orçamento
Ad majorem Dei gloriam
Dia da linguagem gestual



Arquivos

09/01/2004 - 10/01/2004
10/01/2004 - 11/01/2004
11/01/2004 - 12/01/2004
12/01/2004 - 01/01/2005
01/01/2005 - 02/01/2005
02/01/2005 - 03/01/2005
03/01/2005 - 04/01/2005
04/01/2005 - 05/01/2005
05/01/2005 - 06/01/2005
06/01/2005 - 07/01/2005
07/01/2005 - 08/01/2005
08/01/2005 - 09/01/2005
09/01/2005 - 10/01/2005
10/01/2005 - 11/01/2005
11/01/2005 - 12/01/2005
01/01/2006 - 02/01/2006
03/01/2006 - 04/01/2006
04/01/2006 - 05/01/2006
10/01/2006 - 11/01/2006
11/01/2006 - 12/01/2006
02/01/2007 - 03/01/2007


Contacto



Technorati search


Site Meter

on-line

|


quarta-feira, novembro 24, 2004

Eleições na Ucrânia


As eleições ocorridas na Ucrânia o passado fim-de-semana permitiram-nos ver o que andava a ser escondido há anos mas que já era dito em surdina pelo Ocidente: Democracia na Ucrânia é mera ilusão. Bem, talvez o sr. Bernardino Pedroso, líder da Bancada parlamentar do PCP ainda defendesse até ao fim que é a mais pura democracia do mundo, a par de Cuba e da Coreia do Norte.
Realmente, toda a gente sabia que a Ucrânia era um poço de corrupção em que a teia do poder assemelhava-se mais a um feudo medieval do que a uma democracia do séc. XXI. O presidente cessante Kutchma e os que o rodeavam passavam por cima de qualquer lei para manter a sua aura, chegando mesmo a ocorrer vários assassinatos de jornalistas ucranianos cujos responsáveis nunca foram encontrados.
O problema é que agora havia um oponente ao candidato apoiado pelo Presidente Kutchma, que estava organizado, que tinha apoios e que tinha probabilidades de ganhar. Também os problemas económicos do país ajudaram à festa. Houve então a necessidade de pedir apoio ao patriarca Putin, reclamando essa ajuda pela fidelidade ao Kremlin, que esfregou as mãos de contente por voltar finalmente ao activo (uma das ex-repúblicas vinha pedir o seu auxílio). Putin, esse verdadeiro democrata, cujo passado ligado ao KGB lhe permitiu uma visão mais alargada de como funciona uma democracia decidiu que era necessário pôr mãos à obra.
Vai daí e em várias regiões do país, longe dos centros e onde é mais difícil verificar a exactidão dos votos existentes surgem votações superiores a 100% dos eleitores existentes (coisa estranha, não?).Apressaram-se todos a declarar um vencedor mas o problema é que se levantaram dúvidas dobre a forma como as eleições decorreram. A população dos grandes centros urbanos, mais informada e que votou no líder da oposição apercebeu-se de que tinha sido enganada. Os observadores internacionais revelaram essas irregularidades e levantou-se um problema grave. Cerca de metade do país levantou-se contra a situação e a Rússia já declarou que as eleições na Ucrânia decorreram livremente e que não vê motivos para tamanha inquietação. O impasse instalou-se e agora não se sabe quem sairá como vencedor destas eleições. Mas alguém ainda acreditava que aquele país era uma democracia?

Churchill | quarta-feira, novembro 24, 2004 |

|
A ler

Patrick Gaumer, Le Larousse de la bande dessinée



Correspondence Between Stalin, Roosevelt, Truman, Churchill and Attlee During World War II



Dietrich Schwanitz, Die Geschichte Europas



Dietrich Schwanitz, Bildung - Alles war man wissen muss



Niall Ferguson, Virtual History: Alternatives and Counterfactuals



Niall Ferguson, The House of Rothschild: Money's Prophets 1798-1848



Niall Ferguson, House of Rothschild: The World's Banker, 1849-1998



Joe Sacco, Safe Area Goradze



Joe Sacco, Palestine



Hugo Pratt, La Maison Dorée de Samarkand



John Kenneth Galbraith, The Affluent Society (Penguin Business)



Mary S. Lovell, The Sisters - The Saga of the Mitford Family (aconselhado pelo Jansenista)



Charlotte Mosley, The letters os Nancy Mitford and Evelyn Waugh (aconselhado pelo Jansenista)



Ron Chernow, Alexander Hamilton



Henry Fielding, Diário de uma viagem a Lisboa



AAVV, Budget Theory in the Public Sector



JOHN GRAY, Heresies: Against Progress and Other Illusions



CATHERINE JINKS, O Inquisidor, Bertrand, 2004



ANNE APPLEBAUM, Gulag: A History of the Soviet Camps, Penguin Books Ltd, 2004



António Castro Henriques, A conquista do Algarve, de 1189 a 1249. O Segundo Reino



Philip K. Dick, À espera do ano passado



Richard K. Armey e Dick Armey, The Flat Tax: A Citizen's Guide to the Facts on What It Will Do for You, Your Country, and Your Pocketbook



Jagdish N. Bhagwati, In Defense of Globalization, Oxford



Winston Churchill, My Early Life, Eland




A ver

Eraserhead (um filme de David Lynch - 1977)


Eraserhead (1977) Posted by Hello

Nos meus lábios, JACQUES AUDIARD, 2001



A Tua Mãe Também, ALFONSO CUARON, 2002



Pickup on South Street, SAMUEL FULLER



The Bostonians, JAMES IVORY (real.)



In the Mood for Love, KAR WAI WONG, 2001



Powered by Blogger