O Impecável
"Um homem que dorme tem em círculo à sua volta o fio das horas, a ordem dos anos e dos mundos. Consulta-os instintivamente ao acordar, e neles lê num segundo o ponto da terra que ocupa, o tempo que decorreu até ao seu despertar; mas as respectivas linhas podem misturar-se, quebrar-se." Marcel Proust, Em Busca do Tempo Perdido



Os Impecáveis









Blogues obrigatórios

A arte da fuga
Adufe
Almocreve das Petas
Blasfémias
Bloguitica
Casa dos Comuns
Causa Nossa
Cum grano salis
Grande Loja do Queijo Limiano
Impostos?
Irreflexões
Muito à frente
O Acidental
O Insurgente
O Jansenista
Peço a Palavra
República Digital
Tabacaria
Tugir
Uma Campanha Alegre


Leituras recentes

Hieronymus Bosch: os abençoados em julgamento
Natal por Gedeão
Estátuas equestres: Andrew Jackson (Washington)
Top200
A árvore da sabedoria
Desfecho
Portugal (Versão Chile)
O tempo atravessado
A queda de um ovo 2...
Investimento estrangeiro: Recessão vs. retoma port...



Arquivos

09/01/2004 - 10/01/2004
10/01/2004 - 11/01/2004
11/01/2004 - 12/01/2004
12/01/2004 - 01/01/2005
01/01/2005 - 02/01/2005
02/01/2005 - 03/01/2005
03/01/2005 - 04/01/2005
04/01/2005 - 05/01/2005
05/01/2005 - 06/01/2005
06/01/2005 - 07/01/2005
07/01/2005 - 08/01/2005
08/01/2005 - 09/01/2005
09/01/2005 - 10/01/2005
10/01/2005 - 11/01/2005
11/01/2005 - 12/01/2005
01/01/2006 - 02/01/2006
03/01/2006 - 04/01/2006
04/01/2006 - 05/01/2006
10/01/2006 - 11/01/2006
11/01/2006 - 12/01/2006
02/01/2007 - 03/01/2007


Contacto



Technorati search


Site Meter

on-line

|


segunda-feira, dezembro 20, 2004

New Orleans and all that Jazz




Cedida a Espanha entre 1763 e 1800, vendida (!) aos Estados Unidos em 1803, terra de Louis Armstrong, de Ella Fitzgerald, New Orleans é comummente apontada como o berço do Jazz.
Com raízes na música negra e criola, de influência ragtime e com a marca dos blues, e já depois do jazz, é na década de 30 que nasce o swing, na de 40 o bebop e depois o hard bebop (e também o cool jazz, para muitos uma proposta mais intelectualizada, geek chic), e, na de 60, o free jazz, com elementos de composiçao atonais e arrítmicos, de contornos experimentalistas, mesclados, depois da fusão rock/jazz, por elementos eletrónicos, sobretudo através de samplers e sequenciadores (a base do drum'n 'bass e do tecno, que hoje povoa carregadamente o éter e que, no princípio, mais não era uma forma de expressão característica do gueto, apta a forjar uma sub-cultura marginal ou, como muitos dos seus protagonistas ainda dizem, o underground).
A pouco e pouco, os estereótipos associados ao jazz foram desfalecendo. Antes de mais, quando a massa consumidora deixou de ser constituída exclusivamente pela população afro-americana e começou a alastrar para a chamada América Branca e para o resto do mundo, num sinal de que aquela música (way of life...), afinal, interessava a mais gente. E depois, prova de que o mundo não é visível a preto e branco, quando o jazz se transmutou, finalmente, numa indústria, na música de todos os dias, que atravessava todas as classes e que hoje, com vocação intemporal, se ouve em filmes de Hollywood, em programas de televisão, em cadeias generalistas ou em spot publicitários de marcas de jeans, de chocolates, de bebidas alcoólicas (ou nem por isso).
É assim que, sob o mote non-stop party, vale a pena, dizem, tirar umas "férias" para ver em New Orleans o Mardi Gras - o carnaval local em que as krews competem pela melhor imagem nos desfiles e bailes que se realizam durante a época, e vão dançando ao som de um free cósmico que se aplaca nos telhados de Bourbon Street (uma pretensa street credibility) –, ou para assistir ao Festival de Jazz (Abril), de costela storytelling, entretanto clonado, em tambaque industrial, batuque e ruído, por outros eventos muito promovidos pelo press junket do marketing discográfico, território das produções plásticas, disposto a fornecer glam aos mais permeáveis ao chavão musical de efeito fácil.
Quantos aos eventos, e à viagem, fica o projecto para 2005. Até lá, vai-se ouvindo um tratado de bom gosto: [re:jazz] Point of View, que tem o fabuloso "Remember Tomorrow”, reprise jazzística do tema dos Mo Horizons. Obrigado pela prenda!

JZM | segunda-feira, dezembro 20, 2004 |

A ler

Patrick Gaumer, Le Larousse de la bande dessinée



Correspondence Between Stalin, Roosevelt, Truman, Churchill and Attlee During World War II



Dietrich Schwanitz, Die Geschichte Europas



Dietrich Schwanitz, Bildung - Alles war man wissen muss



Niall Ferguson, Virtual History: Alternatives and Counterfactuals



Niall Ferguson, The House of Rothschild: Money's Prophets 1798-1848



Niall Ferguson, House of Rothschild: The World's Banker, 1849-1998



Joe Sacco, Safe Area Goradze



Joe Sacco, Palestine



Hugo Pratt, La Maison Dorée de Samarkand



John Kenneth Galbraith, The Affluent Society (Penguin Business)



Mary S. Lovell, The Sisters - The Saga of the Mitford Family (aconselhado pelo Jansenista)



Charlotte Mosley, The letters os Nancy Mitford and Evelyn Waugh (aconselhado pelo Jansenista)



Ron Chernow, Alexander Hamilton



Henry Fielding, Diário de uma viagem a Lisboa



AAVV, Budget Theory in the Public Sector



JOHN GRAY, Heresies: Against Progress and Other Illusions



CATHERINE JINKS, O Inquisidor, Bertrand, 2004



ANNE APPLEBAUM, Gulag: A History of the Soviet Camps, Penguin Books Ltd, 2004



António Castro Henriques, A conquista do Algarve, de 1189 a 1249. O Segundo Reino



Philip K. Dick, À espera do ano passado



Richard K. Armey e Dick Armey, The Flat Tax: A Citizen's Guide to the Facts on What It Will Do for You, Your Country, and Your Pocketbook



Jagdish N. Bhagwati, In Defense of Globalization, Oxford



Winston Churchill, My Early Life, Eland




A ver

Eraserhead (um filme de David Lynch - 1977)


Eraserhead (1977) Posted by Hello

Nos meus lábios, JACQUES AUDIARD, 2001



A Tua Mãe Também, ALFONSO CUARON, 2002



Pickup on South Street, SAMUEL FULLER



The Bostonians, JAMES IVORY (real.)



In the Mood for Love, KAR WAI WONG, 2001



Powered by Blogger