O Impecável
"Um homem que dorme tem em círculo à sua volta o fio das horas, a ordem dos anos e dos mundos. Consulta-os instintivamente ao acordar, e neles lê num segundo o ponto da terra que ocupa, o tempo que decorreu até ao seu despertar; mas as respectivas linhas podem misturar-se, quebrar-se." Marcel Proust, Em Busca do Tempo Perdido



Os Impecáveis









Blogues obrigatórios

A arte da fuga
Adufe
Almocreve das Petas
Blasfémias
Bloguitica
Casa dos Comuns
Causa Nossa
Cum grano salis
Grande Loja do Queijo Limiano
Impostos?
Irreflexões
Muito à frente
O Acidental
O Insurgente
O Jansenista
Peço a Palavra
República Digital
Tabacaria
Tugir
Uma Campanha Alegre


Leituras recentes

Angola, case study?
Temos de ser sinceros, não há ninguém que possa ap...
Relação de trabalho privilegiada?
O IMPECÁVEL
Trivia
Diletância
Pardon my french
Memória futura
Lugares paralelos? Ou nem isso?
Merrimack and Concord



Arquivos

09/01/2004 - 10/01/2004
10/01/2004 - 11/01/2004
11/01/2004 - 12/01/2004
12/01/2004 - 01/01/2005
01/01/2005 - 02/01/2005
02/01/2005 - 03/01/2005
03/01/2005 - 04/01/2005
04/01/2005 - 05/01/2005
05/01/2005 - 06/01/2005
06/01/2005 - 07/01/2005
07/01/2005 - 08/01/2005
08/01/2005 - 09/01/2005
09/01/2005 - 10/01/2005
10/01/2005 - 11/01/2005
11/01/2005 - 12/01/2005
01/01/2006 - 02/01/2006
03/01/2006 - 04/01/2006
04/01/2006 - 05/01/2006
10/01/2006 - 11/01/2006
11/01/2006 - 12/01/2006
02/01/2007 - 03/01/2007


Contacto



Technorati search


Site Meter

on-line

|


segunda-feira, outubro 16, 2006

Que futuro?


Este fim-de-semana comprei o "Sol". Nada de especial, aliás, com poucas noticias de interesse e muito de 24 Horas. Mas posso dizer que o Editorial do Arq. José António Saraiva fez valer a pena a leitura.

Ele escreveu exactamente o que me vai na alma relativamente ao assunto da despenalização do aborto, casamento de homossexuais ou a insistência com que na semana passada os diferentes orgãos de informação abordaram o tema da eutanásia, por exemplo. E são sempre os orgãos de informação que maior destaque dão a estes temas.

Portugal é um país envelhecido. Não é novidade para ninguém, todos o sabemos. Então porquê esta insistência em se falar e cultivar temas ligados à morte, ao desprendimento da vida, a permitir cada um decidir quem quer que viva (mas só às mulheres) ou a institucionalizar relações homossexuais como se de heterossexuais se tratassem? Tudo isto não ajuda a resolver o verdadeiro problema de Portugal nesta área. Apenas contribui para o agudizar.

Devia-se falar do apoio à família, do apoio à natalidade, de melhorar as condições de vida e os cuidados de saúde aos mais velhos, de lhes ser possível aceder a seguros de saúde até mais tarde sem serem penalizados (já que a esperança de vida aumentou as regras dos seguros de saúde também deveriam ser actualizadas).

Mas que Esquerda é esta, que em vez de defender os interesses da maioria, das mães solteiras, das mães desempregadas, das familias com dificuldades financeiras, das famílias numerosas, das famílias com idosos carenciados, a necessitar de serviços de saude permanentes, se preocupa com os intelectuais urbanos homossexuais, com as mulheres que abortam (temos é de apresentar alternativas às mulheres com dificuldades, não incentivar e facilitar o aborto)...Que Esquerda é esta? Uma esquerda míope, só pode! Tem tanto tema para pressionar o governo, para defender o apoio social, a importância do Estado e resume-se a isto...

É pena! Os jornais gostam do que o BE vende mas isso não resolve o problema!

O que esperamos é uma mensagem de incentivo à vida, positivo. Para quê o discurso negativo? Chatices, já temos muitas!

Os 2 Euros do Sol valeram a pena...De resto, espero mais inspiração de futuro, noticias por favor.
Churchill | segunda-feira, outubro 16, 2006 |

|
A ler

Patrick Gaumer, Le Larousse de la bande dessinée



Correspondence Between Stalin, Roosevelt, Truman, Churchill and Attlee During World War II



Dietrich Schwanitz, Die Geschichte Europas



Dietrich Schwanitz, Bildung - Alles war man wissen muss



Niall Ferguson, Virtual History: Alternatives and Counterfactuals



Niall Ferguson, The House of Rothschild: Money's Prophets 1798-1848



Niall Ferguson, House of Rothschild: The World's Banker, 1849-1998



Joe Sacco, Safe Area Goradze



Joe Sacco, Palestine



Hugo Pratt, La Maison Dorée de Samarkand



John Kenneth Galbraith, The Affluent Society (Penguin Business)



Mary S. Lovell, The Sisters - The Saga of the Mitford Family (aconselhado pelo Jansenista)



Charlotte Mosley, The letters os Nancy Mitford and Evelyn Waugh (aconselhado pelo Jansenista)



Ron Chernow, Alexander Hamilton



Henry Fielding, Diário de uma viagem a Lisboa



AAVV, Budget Theory in the Public Sector



JOHN GRAY, Heresies: Against Progress and Other Illusions



CATHERINE JINKS, O Inquisidor, Bertrand, 2004



ANNE APPLEBAUM, Gulag: A History of the Soviet Camps, Penguin Books Ltd, 2004



António Castro Henriques, A conquista do Algarve, de 1189 a 1249. O Segundo Reino



Philip K. Dick, À espera do ano passado



Richard K. Armey e Dick Armey, The Flat Tax: A Citizen's Guide to the Facts on What It Will Do for You, Your Country, and Your Pocketbook



Jagdish N. Bhagwati, In Defense of Globalization, Oxford



Winston Churchill, My Early Life, Eland




A ver

Eraserhead (um filme de David Lynch - 1977)


Eraserhead (1977) Posted by Hello

Nos meus lábios, JACQUES AUDIARD, 2001



A Tua Mãe Também, ALFONSO CUARON, 2002



Pickup on South Street, SAMUEL FULLER



The Bostonians, JAMES IVORY (real.)



In the Mood for Love, KAR WAI WONG, 2001



Powered by Blogger