O Impecável
"Um homem que dorme tem em círculo à sua volta o fio das horas, a ordem dos anos e dos mundos. Consulta-os instintivamente ao acordar, e neles lê num segundo o ponto da terra que ocupa, o tempo que decorreu até ao seu despertar; mas as respectivas linhas podem misturar-se, quebrar-se." Marcel Proust, Em Busca do Tempo Perdido



Os Impecáveis









Blogues obrigatórios

A arte da fuga
Adufe
Almocreve das Petas
Blasfémias
Bloguitica
Casa dos Comuns
Causa Nossa
Cum grano salis
Grande Loja do Queijo Limiano
Impostos?
Irreflexões
Muito à frente
O Acidental
O Insurgente
O Jansenista
Peço a Palavra
República Digital
Tabacaria
Tugir
Uma Campanha Alegre


Leituras recentes

Silêncio - no hay banda...
Perseguição de carros 1
Revejo-me no passado...
Sonho o futuro...
Glenn Gould : Bach - Keyboard Concerto No.1 D mino...
Referendo ao Aborto
Reviravolta na América
Os voos da CIA
Que futuro?
Angola, case study?



Arquivos

09/01/2004 - 10/01/2004
10/01/2004 - 11/01/2004
11/01/2004 - 12/01/2004
12/01/2004 - 01/01/2005
01/01/2005 - 02/01/2005
02/01/2005 - 03/01/2005
03/01/2005 - 04/01/2005
04/01/2005 - 05/01/2005
05/01/2005 - 06/01/2005
06/01/2005 - 07/01/2005
07/01/2005 - 08/01/2005
08/01/2005 - 09/01/2005
09/01/2005 - 10/01/2005
10/01/2005 - 11/01/2005
11/01/2005 - 12/01/2005
01/01/2006 - 02/01/2006
03/01/2006 - 04/01/2006
04/01/2006 - 05/01/2006
10/01/2006 - 11/01/2006
11/01/2006 - 12/01/2006
02/01/2007 - 03/01/2007


Contacto



Technorati search


Site Meter

on-line

|


terça-feira, setembro 27, 2005

Merrimack and Concord


Há algo em H-D Thoureau que me fascina. Talvez seja a contemplação total. Como ele disse, «I love to be alone. I never found the companion that was so companionable as solitude». Há muito de verdade nisto. Como podemos estar com os outros -- se não conseguimos suportar um fugaz confronto com nós próprios? Como podemos ouvir os outros -- se receamos ouvir a nossa própria voz? Como podemos não temer os outros -- sem conhecer a nós próprios?
Enfim. Bom dia!
PS: Para responder à questão do Churchill, poderia sempre repetir a evidência de Bernard Shaw: «Democracy is a device that insures we shall be governed no better than we deserve». O que não é cinismo. É só outra forma de repetir o apelo de Kennedy.

Jagoz | terça-feira, setembro 27, 2005 | |

quinta-feira, setembro 22, 2005

Como é possível?


O que é que se passa no nosso país?
Como é que é possível ver fenómenos inqualificáveis como uma autarca acusada de corrupção fugir do país, fugir à justiça para evitar ser presa e regressar passados dois anos, com bom aspecto (de quem passou esse tempo na praia), decidir candidatar-se a eleições autárquicas (relembremos que fugiu exactamente por ser acusada de corrupção enquanto autarca), e ficar em liberdade por gozar de imunidade enquanto candidata!! Isto é uma aberração...

O que dizer do caso de um Presidente de Câmara, do mais baixo nível possível e imaginário, que é acusado de peculato, que é suspeito de corrupção, de fazer negócio consigo próprio vezes e vezes sem conta, utilizando mesmo recursos da Câmara em proveito próprio (e cobrando à Câmara a utilização desses recursos, como se fossem dele!!!), ser mais uma vez candidato com possibilidades de ser eleito, numa Câmara de maior dimensão (Amarante)!!!

Já para não falar de Oficiais na Reserva, expulsos antes do 25 de Abril por contrabando de materiais do Exército e posteriormente reintegrados na Reserva, que continuam a ganhar eleições, sem pudor, acumulando funções na política, no futebol, no poder autárquico, sem que ninguém se importe, ele continua a ganhar, mesmo sendo independente!! E Isaltino, que tem uma conta pelo seu sobrinho, taxista?

Falamos de problemas graves do país, como os económicos, sociais, políticos, mas o país em si e a sua cultura tem de ser toda repensada, temos de começar por aí de alguma forma. A Educação tem um papel fundamental no desenvolvimento de um país e nós bem precisamos!! É muito desgastante e penoso ver estas pessoas serem heróis. Como é que é possível?
Churchill | quinta-feira, setembro 22, 2005 | |

sexta-feira, setembro 09, 2005

Bigode


É o que a Europa está a levar, desde há décadas, dos Estados Unidos no campo da educação. Escuso-me de recuperar as várias entradas que fui aqui postando ao longo do tempo. Escuso-me de voltar a questionar a bondade das «políticas educacionais do Estado» em voga na Europa.
Vejam antes este artigo do Economist desta semana (integrado numa colecção subordinada ao mesmo tema, composta por todos estes artigos), chamando a atenção para a evidência de que não só a Europa não recupera terreno para os EEUU, como corre ainda o risco de ser brevemente ultrapassada pela Ásia.
Permito-me dar duas achegas:

«How can French universities, for example, compete for talent with their American rivals when professors are civil servants?»


Jagoz | sexta-feira, setembro 09, 2005 | |

A ler

Patrick Gaumer, Le Larousse de la bande dessinée



Correspondence Between Stalin, Roosevelt, Truman, Churchill and Attlee During World War II



Dietrich Schwanitz, Die Geschichte Europas



Dietrich Schwanitz, Bildung - Alles war man wissen muss



Niall Ferguson, Virtual History: Alternatives and Counterfactuals



Niall Ferguson, The House of Rothschild: Money's Prophets 1798-1848



Niall Ferguson, House of Rothschild: The World's Banker, 1849-1998



Joe Sacco, Safe Area Goradze



Joe Sacco, Palestine



Hugo Pratt, La Maison Dorée de Samarkand



John Kenneth Galbraith, The Affluent Society (Penguin Business)



Mary S. Lovell, The Sisters - The Saga of the Mitford Family (aconselhado pelo Jansenista)



Charlotte Mosley, The letters os Nancy Mitford and Evelyn Waugh (aconselhado pelo Jansenista)



Ron Chernow, Alexander Hamilton



Henry Fielding, Diário de uma viagem a Lisboa



AAVV, Budget Theory in the Public Sector



JOHN GRAY, Heresies: Against Progress and Other Illusions



CATHERINE JINKS, O Inquisidor, Bertrand, 2004



ANNE APPLEBAUM, Gulag: A History of the Soviet Camps, Penguin Books Ltd, 2004



António Castro Henriques, A conquista do Algarve, de 1189 a 1249. O Segundo Reino



Philip K. Dick, À espera do ano passado



Richard K. Armey e Dick Armey, The Flat Tax: A Citizen's Guide to the Facts on What It Will Do for You, Your Country, and Your Pocketbook



Jagdish N. Bhagwati, In Defense of Globalization, Oxford



Winston Churchill, My Early Life, Eland




A ver

Eraserhead (um filme de David Lynch - 1977)


Eraserhead (1977) Posted by Hello

Nos meus lábios, JACQUES AUDIARD, 2001



A Tua Mãe Também, ALFONSO CUARON, 2002



Pickup on South Street, SAMUEL FULLER



The Bostonians, JAMES IVORY (real.)



In the Mood for Love, KAR WAI WONG, 2001



Powered by Blogger