O Impecável
"Um homem que dorme tem em círculo à sua volta o fio das horas, a ordem dos anos e dos mundos. Consulta-os instintivamente ao acordar, e neles lê num segundo o ponto da terra que ocupa, o tempo que decorreu até ao seu despertar; mas as respectivas linhas podem misturar-se, quebrar-se." Marcel Proust, Em Busca do Tempo Perdido



Os Impecáveis









Blogues obrigatórios

A arte da fuga
Adufe
Almocreve das Petas
Blasfémias
Bloguitica
Casa dos Comuns
Causa Nossa
Cum grano salis
Grande Loja do Queijo Limiano
Impostos?
Irreflexões
Muito à frente
O Acidental
O Insurgente
O Jansenista
Peço a Palavra
República Digital
Tabacaria
Tugir
Uma Campanha Alegre


Leituras recentes

Portugal (Versão Chile)
O tempo atravessado
A queda de um ovo 2...
Investimento estrangeiro: Recessão vs. retoma port...
Estátuas equestres: Cosimo I (Florença)
Estátuas equestres: Marco Aurélio (Roma)
Hoje espera-se a queda anunciada de um ovo...
Dissolução do Parlamento: um pouco de história...p...
Coerência
As atitudes perante a arte...



Arquivos

09/01/2004 - 10/01/2004
10/01/2004 - 11/01/2004
11/01/2004 - 12/01/2004
12/01/2004 - 01/01/2005
01/01/2005 - 02/01/2005
02/01/2005 - 03/01/2005
03/01/2005 - 04/01/2005
04/01/2005 - 05/01/2005
05/01/2005 - 06/01/2005
06/01/2005 - 07/01/2005
07/01/2005 - 08/01/2005
08/01/2005 - 09/01/2005
09/01/2005 - 10/01/2005
10/01/2005 - 11/01/2005
11/01/2005 - 12/01/2005
01/01/2006 - 02/01/2006
03/01/2006 - 04/01/2006
04/01/2006 - 05/01/2006
10/01/2006 - 11/01/2006
11/01/2006 - 12/01/2006
02/01/2007 - 03/01/2007


Contacto



Technorati search


Site Meter

on-line

|


quarta-feira, dezembro 15, 2004

Desfecho


Três assuntos destes últimos dias merecem especial reflexão. Começarei pelo menos importante.
1. Disse há uns tempos atrás (aqui) que este Governo tinha um grave problema de legitimidade democrática. Sem querer ser repetitivo, a questão era que -- gostemos ou não -- a sua legitimidade representativa era muito, muito ténue; e que, por isso, o Governo tinha de fazer um esforço adicional no sentido de se legitimar através do exercício. Se falhasse essa oportunidade, o caminho a seguir era o de eleições antecipadas.
2. É manifesto que foi isso que sucedeu. O que fica para a História é um período de quatro meses inusitadamente conturbado do exercício governativo, em que o Governo foi clamorosamente incapaz de ter uma opinião coerente e estável sobre que assunto fosse, em que os Ministros se descompuseram entre si em público e, por último, em que uma série de escândalos graves se abateu sobre o corpo e acção governativos.
Tudo o mais são manobras e fait-divers. Só têm lugar no esquecimento do tempo. O que permanece inelutavelmente -- não há volta a dar -- é que este Governo se pautou por um desgoverno espantosamente auto-destrutivo. E a maior prova é o total eclipse da oposição.
3. O Presidente da República deu ampla margem de manobra ao Governo. Deu-lhe tempo e espaço em dimensões muito superiores àquelas que eu teria dado -- mas isso vale o que vale. Esperou muito para que o Governo se pusesse de pé e estabilizasse. Porém, isso não sucedeu. Pior, o caos agudizou-se e tinha chegado ao ponto de um Ministro ter feito questão de emitir uma nota informativa dirigida à agência noticiosa nacional (!) afirmando, com todas as letras, a falta de lealdade e de verdade do Primeiro-Ministro!!
4. Em face destes factos, agarrar-se à legitimidade representativa da AR seria querer prolongar uma situação sem solução saudável à vista. Entender que não havia verdadeiras razões para recolher o baralho e voltar a dar o jogo é não saber jogar o jogo da democracia. E isso não se pode discutir -- só se pode lamentar.
PS - Ao longo do dia atacarei os outros dois assuntos.

Jagoz | quarta-feira, dezembro 15, 2004 |

|
A ler

Patrick Gaumer, Le Larousse de la bande dessinée



Correspondence Between Stalin, Roosevelt, Truman, Churchill and Attlee During World War II



Dietrich Schwanitz, Die Geschichte Europas



Dietrich Schwanitz, Bildung - Alles war man wissen muss



Niall Ferguson, Virtual History: Alternatives and Counterfactuals



Niall Ferguson, The House of Rothschild: Money's Prophets 1798-1848



Niall Ferguson, House of Rothschild: The World's Banker, 1849-1998



Joe Sacco, Safe Area Goradze



Joe Sacco, Palestine



Hugo Pratt, La Maison Dorée de Samarkand



John Kenneth Galbraith, The Affluent Society (Penguin Business)



Mary S. Lovell, The Sisters - The Saga of the Mitford Family (aconselhado pelo Jansenista)



Charlotte Mosley, The letters os Nancy Mitford and Evelyn Waugh (aconselhado pelo Jansenista)



Ron Chernow, Alexander Hamilton



Henry Fielding, Diário de uma viagem a Lisboa



AAVV, Budget Theory in the Public Sector



JOHN GRAY, Heresies: Against Progress and Other Illusions



CATHERINE JINKS, O Inquisidor, Bertrand, 2004



ANNE APPLEBAUM, Gulag: A History of the Soviet Camps, Penguin Books Ltd, 2004



António Castro Henriques, A conquista do Algarve, de 1189 a 1249. O Segundo Reino



Philip K. Dick, À espera do ano passado



Richard K. Armey e Dick Armey, The Flat Tax: A Citizen's Guide to the Facts on What It Will Do for You, Your Country, and Your Pocketbook



Jagdish N. Bhagwati, In Defense of Globalization, Oxford



Winston Churchill, My Early Life, Eland




A ver

Eraserhead (um filme de David Lynch - 1977)


Eraserhead (1977) Posted by Hello

Nos meus lábios, JACQUES AUDIARD, 2001



A Tua Mãe Também, ALFONSO CUARON, 2002



Pickup on South Street, SAMUEL FULLER



The Bostonians, JAMES IVORY (real.)



In the Mood for Love, KAR WAI WONG, 2001



Powered by Blogger