O Impecável
"Um homem que dorme tem em círculo à sua volta o fio das horas, a ordem dos anos e dos mundos. Consulta-os instintivamente ao acordar, e neles lê num segundo o ponto da terra que ocupa, o tempo que decorreu até ao seu despertar; mas as respectivas linhas podem misturar-se, quebrar-se." Marcel Proust, Em Busca do Tempo Perdido



Os Impecáveis









Blogues obrigatórios

A arte da fuga
Adufe
Almocreve das Petas
Blasfémias
Bloguitica
Casa dos Comuns
Causa Nossa
Cum grano salis
Grande Loja do Queijo Limiano
Impostos?
Irreflexões
Muito à frente
O Acidental
O Insurgente
O Jansenista
Peço a Palavra
República Digital
Tabacaria
Tugir
Uma Campanha Alegre


Leituras recentes

Estátuas equestres: Cosimo I (Florença)
Estátuas equestres: Marco Aurélio (Roma)
Hoje espera-se a queda anunciada de um ovo...
Dissolução do Parlamento: um pouco de história...p...
Coerência
As atitudes perante a arte...
Exercícios de madrugada...
O silêncio nem sempre é de ouro II
Res Artis
A guerra dos duodécimos...



Arquivos

09/01/2004 - 10/01/2004
10/01/2004 - 11/01/2004
11/01/2004 - 12/01/2004
12/01/2004 - 01/01/2005
01/01/2005 - 02/01/2005
02/01/2005 - 03/01/2005
03/01/2005 - 04/01/2005
04/01/2005 - 05/01/2005
05/01/2005 - 06/01/2005
06/01/2005 - 07/01/2005
07/01/2005 - 08/01/2005
08/01/2005 - 09/01/2005
09/01/2005 - 10/01/2005
10/01/2005 - 11/01/2005
11/01/2005 - 12/01/2005
01/01/2006 - 02/01/2006
03/01/2006 - 04/01/2006
04/01/2006 - 05/01/2006
10/01/2006 - 11/01/2006
11/01/2006 - 12/01/2006
02/01/2007 - 03/01/2007


Contacto



Technorati search


Site Meter

on-line

|


domingo, dezembro 12, 2004

Investimento estrangeiro: Recessão vs. retoma portuguesa


Durante o quinquénio 2000-2005 a economia portuguesa registará apenas um crescimento de 0,8%, de acordo com os dados do Banco de Portugal. Preocupante? Sem dúvida, sabendo que a média europeia está nos 1,4%.
No entanto, o problema já vem de trás, porquanto, na última década, as transformações operadas na economia portuguesa (Portugal é um dos países da Coesão) ficaram muito aquém das exigidas pela adesão ao Euro.

Senão vejamos, para além dos dados pouco animadores aqui (cujos comentários são de ler), em matéria de Investimento Estrangeiro:

a) O Investimento empresarial realizado em Portugal (em termos percentuais) tem tido nos últimos quatro anos, um crescimento real negativo - aqui temos os números desde 1995, para efeitos comparativos

1995 > -1 %
1996 > -2 %
1997 > +13 %
1998 > +2 %
1999 > +29 %
2000 > -9 %
2001 > -12 %
2002 > -21 %
2003 > -9 % (subida explicada pela depreciação do dólar relativamente ao euro)
2004 > -8 %

b) Por seu lado, o saldo do Investimento Directo Estrangeiro (ID), igual ao saldo do ID entrado menos o saldo de ID no exterior, é um dos maiores registado nos últimos 15 anos. Assim,

1990 - 1994 > + 2 milhões de dólares
1995 - 1999 > - 1 milhão de dólares
2001 - 2003 > - 2 milhões de dólares (veja-se que isto reflecte o facto de o ID exterior em Portugal ter sido de 6,6 milhões de euros e de o ID de Portugal no exterior ter sido de 8,5 milhões de euros).

Em suma, em termos de investimento estrangeiro sai mais riqueza do que entra - isto continuará até quando? Não vemos fim a isto, fundamentalmente com a recente adesão dos países de leste. Assim, as assimetrias regionais irão acentuar-se e a aposta de ID externo terá que ser efectivada através de uma maior e mais eficiente contratualização e pelo alargamento do campo dedicado às ajudas fiscais internas que não colidam com o regime comunitário dos Auxílios de Estado. Para quando a retoma efectiva? Ou melhor, em que momento esta deveria ter sido provocada?

(Sobre os dados fornecidos, ver Francisco Melro, "Economia Portuguesa afasta-se da Europa", in Anuário da Economia Portuguesa 2004, n.º XVII, págs. 9-14)


Guilherme Oliveira Martins | domingo, dezembro 12, 2004 |

|
A ler

Patrick Gaumer, Le Larousse de la bande dessinée



Correspondence Between Stalin, Roosevelt, Truman, Churchill and Attlee During World War II



Dietrich Schwanitz, Die Geschichte Europas



Dietrich Schwanitz, Bildung - Alles war man wissen muss



Niall Ferguson, Virtual History: Alternatives and Counterfactuals



Niall Ferguson, The House of Rothschild: Money's Prophets 1798-1848



Niall Ferguson, House of Rothschild: The World's Banker, 1849-1998



Joe Sacco, Safe Area Goradze



Joe Sacco, Palestine



Hugo Pratt, La Maison Dorée de Samarkand



John Kenneth Galbraith, The Affluent Society (Penguin Business)



Mary S. Lovell, The Sisters - The Saga of the Mitford Family (aconselhado pelo Jansenista)



Charlotte Mosley, The letters os Nancy Mitford and Evelyn Waugh (aconselhado pelo Jansenista)



Ron Chernow, Alexander Hamilton



Henry Fielding, Diário de uma viagem a Lisboa



AAVV, Budget Theory in the Public Sector



JOHN GRAY, Heresies: Against Progress and Other Illusions



CATHERINE JINKS, O Inquisidor, Bertrand, 2004



ANNE APPLEBAUM, Gulag: A History of the Soviet Camps, Penguin Books Ltd, 2004



António Castro Henriques, A conquista do Algarve, de 1189 a 1249. O Segundo Reino



Philip K. Dick, À espera do ano passado



Richard K. Armey e Dick Armey, The Flat Tax: A Citizen's Guide to the Facts on What It Will Do for You, Your Country, and Your Pocketbook



Jagdish N. Bhagwati, In Defense of Globalization, Oxford



Winston Churchill, My Early Life, Eland




A ver

Eraserhead (um filme de David Lynch - 1977)


Eraserhead (1977) Posted by Hello

Nos meus lábios, JACQUES AUDIARD, 2001



A Tua Mãe Também, ALFONSO CUARON, 2002



Pickup on South Street, SAMUEL FULLER



The Bostonians, JAMES IVORY (real.)



In the Mood for Love, KAR WAI WONG, 2001



Powered by Blogger